Título: O Conde Enfeitiçado (Os Bridgertons - Vol. 6)*
Autor: Julia Quinn
Edição: 1
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
ISBN: 8580414407
Nota: 4 de 5

SINOPSE: Toda vida tem um divisor de águas, um momento súbito, empolgante e extraordinário que muda a pessoa para sempre. Para Michael Stirling, esse instante ocorreu na primeira vez em que pôs os olhos em Francesca Bridgerton. Só que infelizmente ele só conheceu a mulher de seus sonhos no jantar de ensaio do casamento dela. Em 36 horas, Francesca se tornaria esposa do primo dele.
Mas isso foi no passado. Quatro anos depois, Francesca está livre, embora só pense em Michael como amigo e confidente. E ele não ousa falar com ela sobre seus sentimentos – a culpa por amar a viúva de John, praticamente um irmão para ele, não permite.
Em um encontro inesperado, porém, Francesca começa a ver Michael de outro modo. Quando ela cai nos braços dele, a paixão e o desejo provam ser mais fortes do que a culpa. Agora o ex-devasso precisa convencê-la de que nenhum homem além dele a fará mais feliz.

Comentários:

O Conde Enfeitiçado, sexto livro da série 'Os Bridgertons', vem como prova de que um romance de época pode ser sério e peculiar (e porquê não imprevisível) tanto quanto qualquer outro gênero. Esse é mais um trabalho cheios de delicadesas que faz de Julia Quinn uma das mais queridinhas no segmento. E não é para menos.

Diferente das histórias anteriores, a Bridgerton protagonista, que neste caso é a Francesca, já está casada (há dois anos) e vive um romance feliz com o Conde de Kilmartin, cujo nome é John. Mas, após uma fatalidade, ele chega a óbito, deixando Francesca, além de viúva, grávida.

Vivendo tempos difíceis, Francesca passa a ter que lidar não apenas com a morte do marido, mas também com a perda do bebê, já que devido algumas complicações sua gestação acaba não durando muito. Agora todo apoio é fundamental, tanto por parte de sua família quanto, e especialmente, por parte da família Kilmartin.

Em paralelo temos Michael, um homem sem títulos que está ligado a Francesca por ser primo de John. Mas não é só isso. Além de ter se tornado o novo Conde de Kilmarton, ele sempre fora apaixonado pela moça, desde a primeira vez que a viu.

Em nome do respeito que sente por ela e por seu primo, Michael sempre fora capaz de calar seus sentimentos. Agora, porém, com a morte de John e com a decisão de Francesca em recomeçar a favor do desejo de se tornar mãe, as coisas podem acabar tomando um novo percurso. Resta saber como.

A história ganha um salto de quatro anos desde a morte de John, fato que acontece logo no início do livro. O que ocorre nesse meio tempo é relatado nas entrelinhas através de bilhetes apresentados no início de cada capítulo (típico de Julia Quinn). A linguagem e a escrita permanecem com a mesma qualidade, mas, diferente das anteriores, essa história tem um tom mais sério e dramático.

O que mais me agradou na trama foi acompanhar um amor em fase de crescimento a partir de uma amizade. E, mais que isso, a partir de situações inusitadas que só a vida é capaz de nos impor. Justamente por isso a história é tão carregada e triste.

Imagine a culpa que Michael carrega por ser apaixonado pela esposa do primo. Ou imagine Francesca fazendo o impossível para não se deixar levar por um novo sentimento, traindo assim a memória de seu marido (mesmo que seu maior desejo seja ser mãe). Para ambas as partes, trata-se de uma moral que era colocada em prova com bastante rigorosidade no século XIX.

A história tem lá suas reviravoltas, momentos leves e até divertidos, mas, no geral, evidencia o sofrimento provido pela perda, pelo amor não correspondido, pela mudança de títulos, segundas chances, e muito mais! Gostei muito por isso, pela evolução dos personagens (muito bem construídos, por sinal) e por encontrar um conteúdo que não se assemelha aos enredos anteriores.

Para quem já acompanha a série na sequência, como eu, poderá sentir falta da leveza imposta pela presença dos demais Bridgertons, que aparecem com menos frequência desta vez (apesar de sempre haver menções). Senti muita falta deles, especialmente nos fatos que norteiam o final do livro. Uma pena.

De qualquer modo, super recomendo para os amantes do gênero. Trama ousada e, principalmente, comovente. Você irá se surpreender tanto quando eu, aposto.


Confira minhas impressões sobre os livros anteriores:
O Duque e Eu (Livro I)
O Visconde Que Me Amava (Livro II)
Um Perfeito Cavalheiro (Livro III)

Os Segredos de Colin Bridgerton (Livro IV)

Para Sir. Phillip, com amor (Livro V)



*Cortesia cedida pela Editora Arqueiro.



3 Comentários

  1. Amiga concordo que a Júlia Quinn se supera a cada livro, ela sempre cria algo para fazer daquele livro especial. Amo toda a série e não sei dizer de qual gosto mais, nesse fiquei com o coração apertado pelas perdas e dilemas dos personagens; além de torcer por um final feliz (sempre). Senti muita falta da família reunida, mas entendi que a Francesca (é como minha mãe) adora se isolar e ser independente.
    Enfim parabéns pela leitura e pela resenha. Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir
  2. Sempre que você fala dessa série fico dividida, Fran. Não sou muito fã do gênero mas o jeito que você fala de como a autora é surpreendente me deixa curiosa. Bom, não tenho planos de ler por enquanto mas quem sabe um dia? Ótima resenha.

    Beijos!
    http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Boas sugestões e opiniões construtivas são sempre bem-vindas. Obrigada por sua visita!